agenda1
Miley Cyrus em nova entrevista: ‘É lindo poder ter um lugar só seu’
Publicado por: MileyBRcom HÁ 2 years | Entrevistas
banner-2

Em uma nova e incrível entrevista, Miley fala sobre seu novo filme ‘LOLA‘ e abre um pouco as portas da sua vida pessoal, fala sobre sua relação com Liam Hemsworth, sua nova casa que é como seu ‘porto seguro‘ e muito mais! Confira:

Crescendo rápido, Miley Cyrus, 19 anos, estrela o filme LOLA, a comédia romântica e madura que tem o ator britânico e o modelo da Burberry, Douglas Booth, assim como a lenda de Hollywood, Demi Moore, que faz o papel de sua mãe no elenco.

Na vida real a atriz e popstar, nascida no Tennessee, está namorando o australiano Liam Hemsworth (de Jogos Vorazes) e ela fala um pouco sobre ele, e fala do seu namorado nas telonas e a preparação para as suas cenas de sexo. Ela também fala honestamente sobre crescer aos olhos do público, e a necessidade de ter um refúgio seguro para ela e Liam, longe dos olhares curiosos.

 

Pergunta: Você frequentou a escola até que idade?

Resposta: Até a sexta série e então eu me mudei pra cá, pra Los Angeles.

 P: Você acha que evitou alguns “problemas da vida” ao não ir à escola normal?

R: Não. A qualquer momento existes esses problemas, e ao invés disso, estar no Facebook era matéria no AOL, Google ou o que fosse. Eu acho que as pessoas e os adolescentes podem se relacionar comigo mais do que eles pensam, na verdade. Apenas porque eu não fui à escola não quer dizer que eu não tive meu coração quebrado, conheci pessoas, descobri o que é o amor, tive amigos me traindo e praticando bullying ou conheci garotas más, ou aquela garota que você tem ciúmes, a garota popular. Esse tipo de coisa acontece não importa o que ocorra, não importa aonde você esteja tendo essa experiência. 

P: Quando você assiste algum filme para adolescentes dos anos 80 ou 90, LOLA te lembra de algum deles?

R: Eu acho que ele me lembra muito o Sixteen Candles. Tipo, toda vez que eu assisto, minha mãe fica ‘isso me faz lembrar de…’. Este é um daqueles filmes clássicos. Eu acho que é isso que o faz ser  tão interessante. Eu não sinto que haja um filme como esse exceto ‘Meninas Malvadas’. Mas mesmo ‘Meninas Malvadas’ tem um pouco de drama exagerado.  ‘Sixteen Candles’ é mais real.

P: Eu acho que ele retrata bem os jovens até os dias de hoje, ou em qualquer época.                              

R: Em qualquer época, sim. Hoje em dia com a internet isso fica muito mais difícil.

P: Fica mais difícil mas mais uma vez que ele apoia isso, porque você tem um monte de informações à mão, e antes você tinha que ter a sua conversa sobre sexo com sua mãe.  

R: Exatamente.

P: Você tem outras fontes agora, onde você pode encontrar as informações.

R: Sim. Minha mãe está conectada com um monte de seus amigos da escola no Facebook ou onde quer que seja. Eu acho que o uso da internet é bom e possibilita estar conectado com as pessoas.. É como se estivéssemos mais conectados do que nunca, mas estamos mais desconectados do que nunca também, se isso faz algum sentido. É como quando você está no telefone ou tuitando em vez de estar com a pessoa cara a cara, mas talvez você esteja se conectando com alguém que você não teria contato antes, se você não estivesse online. É tão estranho. Você não está presente. Esse é o problema que eu vejo. É realmente mais sobre as atualizações de status do que qualquer coisa.

P: Você tem Twitter, Facebook e muitos seguidores. É incrível. Eu fui em sua página no Twitter e uau, meu Deus.

R: É muito bom ter Twitter para o trabalho. É muito bom para que eu possa dizer, ‘Ei, eu estou trabalhando com o produtor, estou interessada neste filme.’ Que seja. É realmente muito bom poder fazer isso, mas porque eu não coloco onde estou ou realmente o que estou fazendo no momento, como estou com minha família e meu cachorro – caso contrário, pode fazê-lo se perder da realidade e você perde qualquer tipo de privacidade.

P: É, isso é muito verdadeiro. O que os seus pais não toleravam enquanto você estava crescendo?

R: Eu quase nunca ouvi minha mãe xingar. Minha mãe é a mulher mais doce que existe. Ela soletra a palavra merda. Minha mãe é tão doce. Essa era a sua única coisa que ela detestava. Como quando você começa a ouvir palavrões e você começa a dizê-los – eu me lembro de uma vez, eu acho que eu chamei a minha irmã de ‘vadia’ pela primeira vez. Eu estava encrencada.  Eu fiquei  trancada no meu quarto, minha boca foi lavada com sabão, e tudo. Eu disse: “Mãe, mas ela é. É isso o que ela é. Ela é uma vadia.” Eu estava ainda mais encrencada. Eu nunca vou esquecer a primeira vez que fiz isso. Isso era tipo de coisa que fazia minha mãe ficar fora de si. Meu pai… eu acho que ele nunca falaria isso mas ele provavelmente achava aquilo um pouco engraçado. Como uma pequena criança que fala o que escuta. Uma coisa que a minha mãe odiava era a TV. Meu pai sempre nos deixava assistir Os Simpsons. Nós podíamos passar noites assistindo ao Cartoon Network com o meu pai e a minha mãe odiava isso. Ela simplesmente achava qualquer coisa – até mesmo que Tom & Jerry era muito violento. Minha mãe odiava. Meu pai nos deixaria assistir qualquer desenho animado que quiséssemos. Minha mão realmente não se dava bem com a TV. Nós não assistíamos muito à TV. Ela falava: ‘Eu não quero ver esses comerciais. Eu não quero que vendam coisas pra vocês, vocês são muito jovens.” Se você assistir à Nickelodeon ou qualquer outro canal, verá que há comerciais de todos os tipos de jogos e bonecas. Minha mãe simplesmente não queria isso.

P: Então você trabalha para a Disney.

R: Felizmente não têm comerciais vendendo nada. Isso foi realmente o ponto forte. Quero dizer que eles “vendem” seus programas de TV ou qualquer outra coisa, mas eles não vendem mercadorias na TV. Esse foi o ponto. Então eu me tornei a maior franquia da Disney. Mas minha mãe era realmente uma  estranha com TV. Ela não é boa no assunto.

P: Você chamaria um menino para sair como fez no filme? Você daria o primeiro passo?

R: Eu acho que, você sabe, tanto faz. Eu provavelmente sou mais corajosa do que qualquer cara. Acho que tenho chances. Eu acho que eu realmente chamei meu namorado para sair da primeira vez. Eu chamei. Ele ficou tipo, ‘Uau. Ela é rápida’ Ele está me dizendo isso agora, mas eu nem me lembrava disso. Eu não me lembrava, bem, mesmo fazendo isso, tipo, seja lá o que for, isso funciona. Três anos depois e está tudo bem. Eu acho que eu chamei ele pra sair primeiro.

P: Vocês parecem muito felizes.

R: Ah sim. Eu fiz um bom trabalho. Minha avó ficava tipo: “Ele é tão bonito. Ele me lembra os homens que eu costumava escrever cartas quando iam para a guerra.” E eu ficava tipo: “É isso aí!”. Ele é realmente bonito.  Até mesmo minha avó acha Liam gostoso.

P: Eu o entrevistei para a matéria de Jogos Vorazes, ele é um cara legal.                                                

R: Ah sim, ele é realmente incrível.

P: Vocês fazem um belo casal.                                                                                                                    

R: Obrigada.

P: A conversa respeito da primeira vez que é um dos maiores problemas para os adolescentes de qualquer maneira. A sua primeira vez fez de você uma mulher? O que mais te faz uma mulher se isso não é a única coisa?   

R: Eu acho que muda você como uma pessoa, de certa forma você começa a pensar que talvez seja o que os homens esperam de você. Você começa a sentir as coisas de uma forma diferente, como uma mulher, quando você começa a enxergar tudo de maneira diferente. Eu acho que é uma grande parte do crescimento, porque abre uma conexão nova.

P: Que músico você teve uma queda  enquanto você estava crescendo?

R: Os meus eram muito estranhos. Os meus eram pessoas… estranhas… mas George Strait – você conhece a música de George Strait? Conhece o George Strait? Ele é um cantor country. Ele usa o maior chapéu de cowboy. Ele é brega, mas ele era o amor da minha vida. Todas as manhãs na escola, eu ouvia George Strait. Eu o amava muito. Aconteceu comigo e com minha babá porque ela tinha, tipo, 60 anos. Ela o amava também. Gostávamos de sentar lá e falar sobre como ele era incrível. Ele foi uma das minhas primeiras grandes paixões. E então eu tive uma queda por esse garoto, obviamente, como todo mundo de Hansen. Foi o primeiro show que eu fui. Eu achava que eles eram o grupo mais talentoso ao vivo. Isso era uma das minhas grandes paixões também. Eu e minha irmã paramos e ficamos do lado de fora do ônibus da turnê deles.

P: Você acha que crescer famoso tirou algo da sua experiência como adolescente normal?

R: Eu acho que em certo sentido é como se você não pudesse fazer nada sem as pessoas comentando ou pessoas dizendo o que quer que eles acham que você fez de errado e apontando o dedo para você. Eu só sinto que é algo que mudou enquanto eu crescia Eu realmente não deixei mudar. Eu nunca me importei de dizer que eu sou perfeita. Eu nunca quis ser. Isso nunca foi minha meta. Isso não era o meu ‘ganha pão’, porque quero que as pessoas gostam de mim pelo que eu sou. Acho que meus verdadeiros fãs realmente se sentem assim.

P: Como foi trabalhar com Demi Moore? Qual o conselho que ela lhe deu?

R: Eu estava tão inspirada por trabalhar com ela. Uma coisa que ela fez que eu realmente amei foi quando – alguns anos atrás, quando ela estava prestes a ter um bebê- ela foi embora e viveu em uma fazenda e passou um tempo fora, porque ela só queria criar sua família e criá-los em outro lugar de LA, e isso é algo que é realmente importante para mim. Eu necessariamente não quero nunca ter uma família aqui e vê crescê-los aqui. É assustador lá fora. É uma zona de guerra. Ela meio que me disse o que ela fez. Então, quando cheguei em casa, eu tenho um cachorrinho pequeno e comprei uma casa, mudei-me e eu só queria ficar lá no meu próprio santuário e torná-lo um lugar que eu não tenha que deixar, só para ir à mercearia ou algo assim. Agora tenho quatro cães. Eu amo estar em casa com meus animais de estimação. Eu realmente não quero sair de lá. Ela realmente me ensinou a ter esse lugar, ter um lugar que é só seu. Um lugar que ninguém pode ir. Esse é o seu espaço. É lindo poder ter um lugar só seu. Especialmente agora com Liam passando pelo que ele está passando com Hunger Games, é como se nós dois pudéssemos ter, em algum lugar, o nosso próprio pedacinho do céu. É como se ninguém pudesse vir aqui. Ninguém pode falar de nós. Ninguém pode nos julgar. Isto é tudo que sempre queremos fazer e ser um com o outro. É bom. Isso foi algo que eu realmente aprendi com ela.

P: Muito legal. É um refúgio que você precisa. Todo mundo precisa de seu próprio espaço.

R: Todo mundo precisa. Eu meio que precisava contar a alguém sobre isso, até mesmo os animais são assim, é por isso que os leões têm uma toca. Mesmo que ele seja o mais feroz de todos eles, mesmo assim eles vão voltar e proteger os seus bebés e vão na toca, que é como sua zona de segurança. Todo mundo precisa ter isso. Eu e Demi sempre dizemos isso. Isso é o que somos. Nós saímos e nós agimos como se fôssemos as mais fortes na selva, mas no final do dia, você tem que ir e voltar a seu pequeno abrigo seguro.

P: Como você se preparou para as cenas bastante íntimas? Pastilha de menta, música ambiente …

R: Menta, pequenos flertes, spray bronzeador , todo esse jazz. Fazer exercícios, fazer seus peitos parecem maiores, não teve toda essa merda. Na verdade, foi engraçado porque eu não tinha certeza de que a cena estava realmente acontecendo. Esta foi a primeira cena que Douglas e eu fizemos juntos. O primeiro dia foi como ‘vamos lá, cena de sexo’.

P: Logo de cara?

R: Sim! Primeiro dia. Esqueci de raspar minhas pernas. Eu estava no trailer e estava como, “Alguém me dá um gilete” Eu não tinha idéia. Foi realmente muito engraçado, era como mentir com alguém sob a câmera, era como “Tudo bem colocar a perna em sua mão? Podemos ver a movimentação?” Eu estava “Oh Meu Deus”.

P: Vocês já se conheciam antes disso?

R: Não. Foram quatro dias. Nós saímos. A primeira noite fomos todos jantar. Acabamos saindo até umas quatro ou cinco da manhã. Eles realmente manteram para nós a área do hotel. Era uma espécie bar-restaurante, uma coisa assim. Eles manteram aberta para nós para que pudéssemos ter uma festa e as pessoas no andar de cima nem se queixaram. Queríamos uma noite onde todos nós pudéssemos sair, pelo menos, e nos conhecer, ao invés de apenas entrar nas cenas de festas sem nunca ter passado algum tempo juntos. Acabamos conhecendo aleatoriamente este rapper de Detroit. Ele veio com um rap e estávamos todos num momento ótimo, curtindo a música. Foi realmente ótimo, mas era apenas um ponto de encontro e depois chegamos lá no grande dia e foi como ‘Okay. Primeira cena de sexo.’ Nós ficamos ‘Tudo bem. Fofo. Ótimo’.

P: Legal. Agora o beijo, por favor.

R: Sim, foi como a primeira vez. Este trabalho não é tão ruim, isso poderia ser pior.

P: Douglas é tão bonito. Ele é tão bonito. Eu amo os lábios dele.

R: Eu ficava tipo ‘Cara, se você colocasse uma peruca, você seria a garota mais sexy do mundo”

P: Ele é tão sexy.

R: Sim. Ele é lindo. Ele é tipo um dos melhores garotos de todos. Ele é muito engraçado. Nós sempre chamávamos ele de ‘princesa’, porque ela parecia com uma – tipo, em qualquer lugar, qualquer pessoa tem um sotaque, mas ele tem um sotaque ingles muito elegante. Parece o velho Shakespeare ou algo assim. Um dia, nós saímos para passear com jet skis realmente ruins e ele tipo, ‘Isso não é um St. Barts.” E eu tipo ‘tanto faz’. E eu falava ‘Você princesa, tem vivido à maneira de Londres por tempo demais’. Ele era assim, entrava num barco e verificava se sua camisa estava enfiada perfeitamente e tudo mais. ‘Por que você parece perfeito? Estamos todos aqui suados e se divertindo e você gosta de vir aqui e parecer como o modelo perfeito que você é.’ Nós sempre o chamávamos de princesa. Era hilário.

P: Sim isso é verdade. Ele tem modelado para a Burberry.

R: Sim. Ele sempre esteve nessa, com roupas completas da Burberry. Eu fico tipo, porra. Poupe-me.

P: Algum namorado já te traiu?

R: Deixe-me pensar. Talvez não, não que eu saiba. Eu tenho certeza. Eu me sinto como se eu sempre soubesse de tudo, mas eu não sei. E é melhor essa garota tomar cuidado, se eu descobrir. Eu não sei. Mas eu tenho certeza que não.

P: Qual você acha que é a mensagem do filme para as adolescentes?

R: Lembre-se sempre que você está crescendo e que crescer significa que você vai cometer alguns erros. Não se culpe. Nem pense nisso como um erro. Pense nisso como uma experiência. É como ter uma pequena cicatriz. É bom. Dá-lhe caráter. Então, quando você ficar mais velho e ter filhos ou qualquer outra coisa, lembre-se de compreender e lembrar o que sentiu quando tinha a idade deles.

P: Eu gosto de seus anéis.

R: Tem algo escrito neles- são gravados. “Liam”, tem Liam dentro deles. Ele que me deu.

 

Fonte | Tradução: Gabriela Alves e Layse Mayana – Equipe MileyBR.com

DEIXE SEU COMENTÁRIO!